quinta-feira, 23 de julho de 2009

MALDITA - Paraiso Perdido / 2007

As portas foram abertas em meados de 2001, quando umjovem pervertido chamado Erich, cansado de fazer filmes deterror caseiros, resolveu que seria muito mais interessante semanifestar através da música. Em um bar, repleto de efêmerose moribundos, teve seu primeiro encontro e suas primeirastestemunhas; Seu nome era Tarso e, juntos, resolverammontar uma banda. Batizaram-na Malachi (personagem dofilme de Stephen King - A colheita maldita), com influencias deSkinny Puppy, nine inch nails, Metallica e de quem pregasseo Satanismo, ofendendo a todos os tipos de valores morais ereligiosos da nossa sociedade católica.Fizeram seu primeiro show na Rocinha, no Rio de Janeiro, querendeu cinco fraturas ao vocalista, e gravaram sua primeirademo em 2003. Os shows não apresentavam nenhum tipode demonolatria, mas o reflexo das mentes deturpadas eentorpecidas dos integrantes da banda, que agora contava comum novo integrante, Magrão, baixista e sobrinho de Erich. Emdezembro daquele ano, após terminarem a gravação de suaprimeira demo, Vidaut e Léo Osborne, produtores do trabalho,se interessaram por aquela proposta estranha e resolveramse juntar à família. Nesso ponto a banda é rebatizada e nasce a Maldita;Gravam , então , seu primeiro hit; uma balada sobre necrofilia chamada“Anatomia” e a partir daí começam a surgir shows todas as semanas, shows de horrores, banhos de sangue e crianças assassinas que precisavam dabanda, tanto quanto a banda delas. Um selo chamado Nikitaaparece das trevas e eles gravam seu primeiro disco; “Mortosao amanhecer”. Assim como os três videos; “O homem com orosto cortado”, “Anatomia” e “Estrela de Fogo”. Tarso resolveabandonar a família e uma criatura muito calma, porém comuma arma muito poderosa plugada a um amplificador entra nacena. Seu nome? Lereu... o novo guitarrista da banda e o iníciode um ciclo interminável.A Maldita trata exatamente dessas sensações inexplicáveis, doinconsciente, o inferno. E de quando algo que não faz sentidopassa a fazer sentido, todos os dias, aqui dentro, todo o mal,que na verdade poderia ser resumido em uma palavra; Humano.Trata das coisas que as crianças geralmente não vão aprenderem casa, dos tabus e do sobrenatural, porém sempre com ummensagem positiva no final.Unidos em um só corpo e por uma causa maior, Erich, Vidaut, Magrão, Léo Osborne e Lereu são a quinta face de uma mulher que chora sangue e se apaixonou pelo mal.Ainda é nescessário ter muito caos dentro de sí para dar à luz uma estrela dançante. Track list: 1 – Intro /2 - Paraiso perdido /3 - Santos e pecadores /4 - Passivo agressivo /5 – Coagula /6 - Bastardos da américa /7 – Anjo /8 - Embaixadores da carne /9 - Oblivio /10- Presenca de espírito /11- Moribunde /12-Seu deus /13-Tempo perdido /14-Solvente /15-O sabbaticus

3 comentários:

DAGON disse...

Porra sinistro, rs. Po esses caras são malucos, resolver tocar na rocinha que é paraíso de funkeiro... sorte terem apenas as costelas quebradaa em vez de balas de fuzil, hehe.

A temática deles segundo li lembra o Blue Oyster Cult que baseia suas letras em livros de King, Poe e Lovecraft, vou baixar pra ver qual é.

Abração Renato,

RENATO STAY ROCK disse...

Grande dagon..amigoveio de guerra..to te devendo uma visita do Hard...!!
Cara o lance aí é um som mais pesado do que o Blue..(preferia até que fosse parecido..rsss) mas ta aí para a galera conhecer.

Anônimo disse...

muito boa
chega a dar medo